• White Facebook Icon
  • White YouTube Icon
  • White Instagram Icon
  • Google Play ícone social
  • Marcel Oliveira

A História de São Lúcifer




No Concílio de Milão em 354 defendeu Atanásio de Alexandria e se opôs a arianos poderosos, o que fez o imperador Constâncio II, simpatizante dos arianos, confiná-lo por três dias no palácio. Durante seu confinamento, Lúcifer debateu tão veementemente com o imperador que ele acabou por ser banido, juntamente com Eusébio de Vercelli e Dionísio de Milão, primeiro à Palestina e depois, para Tebas, no Egito. No exílio escreveu duras cartas ao imperador, que o pôs sob o risco de martírio.


Controvérsia ariana e os luciferianos

Ver artigos principais: Controvérsia ariana e Cisma meleciano

Após a morte de Constâncio e a ascensão de Juliano, o Apóstata, Lúcifer foi solto em 362. Entretanto não se reconciliaria com antigos arianos ou quem tivesse tido contato com eles. Ele se opôs ao bispo Melécio de Antioquia, que passou a aceitar o credo de Niceia (e por isso foi deposto pelos arianos). Embora Melécio tivesse o apoio de muitos proponentes da teologia de Niceia em Antioquia, Lúcifer apoiou o partido Eustatiano, que tinha se mantido firme no credo de Niceia, e prolongou assim o cisma entre os melecianos e os eustatianos ao consagrar, sem licença prévia, um certo Paulino como bispo. Feito isso, ele retornou à Cagliari onde, de acordo com Jerônimo (em De Viris Illustribus - cap. 95 [3]), ele morreu em 370 dC.

Nos dá uma pista disso os escritos de Santo Ambrósio, Santo Agostinho e São Jerônimo, que referem-se a seus seguidores como luciferianos, uma divisão que surgiu no início do século V. Jerônimo em seu ALTERCATIO LUCIFERIANI ET ORTHODOXI (Altercação entre Luciferianos e Ortodoxos) demonstra quase tudo que se sabe sobre Lúcifer e suas ideias. Inclui-se entre os principais escritos do bispo de Cagliari: DE NON CONVENIENDO CUM HAERETICIS, DE REGIBUS APOSTATICIS, e DE S. ATANASIO.

Após sua morte, os Luciferianos foram liderados pelo seu discípulo principal, São Gregório de Elvira.


Obras

Os escritos de Lúcifer de Cagliari que chegaram até nós, todos do período em que esteve exilado, são direcionados contra o Arianismo e contra a reconciliação com a heresia. Suas obras são escritas na forma de discursos feitos diretamente para Constâncio e repetidamente chamam o imperador pela segunda pessoa. Seus principais escritos são Moriundum esse pro Dei filio ("É necessário morrer para o Filho de Deus"), De non conveniendo cum haereticis ("Sobre não conviver com os heréticos"), De regibus apostaticis ("Sobre reis apóstatas"), De non parcendo in Deum delinquentibus ("Sobre não perdoar aqueles que transgrediram contra Deus") e dois livros sobre Quia absentem nemo debet iudicare nec damnare, sive De Athanasio ("Que ninguém deve ser julgado ou condenado enquanto ausente, ou Sobre Atanásio"). Seus textos citam extensivamente a Bíblia e por isso são fontes muito úteis para a Vetus Latina. Também sobreviveram duas cartas que são supostamente correspondências entre Lúcifer e o secretário do imperador, Florêncio, sobre o tema de algumas obras inflamatórias que Lúcifer havia mandado para o imperador.


Veneração


O status de Lúcifer como santo é tema de controvérsia. De acordo com John Henry Blunt:

A igreja de Cagliari celebrou a festa de um São Lúcifer em 20 de maio. Dois arcebispos da Sardenha escreveram contra e à favor da santidade de Lúcifer. A congregação da Inquisição impôs silêncio em ambas as partes e decretou que a veneração de Lúcifer deveria permanecer como está. Os Bolandistas defenderam este decreto da congregação... alegando que o Lúcifer em questão não é o autor do cisma, mas outro que teria sofrido martírio na perseguição dos vândalos

— Dictionary of Sects, Heresies, Ecclesiastical Parties, and Schools of Religious Thought, John Henry Blunt.


O titulo pelo qual é conhecido

Seu título demonstra que Lúcifer não era, pelo menos no século IV, apenas um sinônimo para Satã. Todavia, com os movimentos a partir do século XIX houve certa confusão, dando a entender que luciferianos (diferentemente do sentido teológico que é apresentado aqui) fossem satanistas. É de se observar que isso não faz com que seu culto seja suprimido ou sua canonização reavaliada. Muito embora ele não seja muito citado para evitar mal-entendidos e escândalos.


(LUCIFER CALARITANUS)


Um bispo, que deve ter nascido nos primeiros anos do século IV; morreu em 371. Seu local de nascimento e as circunstâncias de sua juventude são desconhecidas. Ele aparece pela primeira vez na história eclesiástica, em plena maturidade de força e capacidade, em 354 quando foi designado pelo papa Libério, com o padre Pancratius e o diácono Hilary, para solicitar ao imperador Constantius que convocasse um conselho, para lidar com as acusações dirigidas. contra Santo Atanásio e sua condenação anterior. Este conselho foi convocado em Milão. Lúcifer ali defendeu o bispo de Alexandria com muita paixão e em linguagem muito violenta, fornecendo assim aos adversários do grande alexandrino um pretexto para ressentimento e mais violência, e causando uma nova condenação de Atanásio. Constantius, desacostumado à independência por parte dos bispos, gravemente maltratado Lúcifer e seu colega Eusébio de Vercelli. Ambos foram exilados, Lúcifer sendo enviado para Germanica, na Síria, e daí para Eleutherópolis, na Palestina; ele finalmente foi relegado ao Thebaid.


No decorrer desse exílio, Lúcifer escreveu um panfleto extremamente virulento, intitulado "Ad Constantium Augustum pro sancto Athanasio libri II", uma defesa eloquente da ortodoxia católica, mas em linguagem tão exagerada que ultrapassou a marca e prejudicou a causa que deveria servir .


Lúcifer se gabava de seu trabalho, e Constantius, tirano que ele era, absteve-se de mais vingança. Após a morte de Constantius, Julian permitiu que todos os exilados retornassem às suas cidades. Lúcifer foi para Antioquia e imediatamente se intrometiu nas dissensões que dividiam o partido católico. Ele os prolongou e amargurou consagrando um bispo que lhe parecia capaz de continuar a oposição ao bispo e ao partido que ele julgava os mais fracos nas circunstâncias. Incapaz de tato, ele agravou os dissidentes, em vez de lidar cautelosamente com eles, a fim de conquistá-los, e demonstrou severidade especial em relação aos católicos que haviam vacilado em sua adesão ao Credo Niceno. Por volta dessa época, um Concílio de Alexandria, presidido por Santo Atanásio, decretou que os arianos que renunciavam à heresia devessem ser perdoados e que os bispos que, por compulsão, temporizassem com os hereges, não deveriam ser perturbados.


Contra essa indulgência, Lúcifer protestou e chegou ao ponto de anatematizar seu ex-amigo, Eusébio de Vercelli, que cumpriu os decretos do Conselho de Alexandria. Vendo que suas opiniões extremas não conquistaram partidários nem no Ocidente nem no Oriente, ele se retirou para a Sardenha, retomou sua visão e formou uma pequena seita chamada luciferiana. Esses sectários fingiam que todos os padres que haviam participado do arianismo deveriam ser privados de sua dignidade, e que os bispos que reconheceram os direitos de hereges arrependidos devem ser excomungados.


Os luciferianos, sendo sinceros contra, encomendaram dois padres, Marcelino e Faustinus, para apresentar uma petição, o conhecido "Libellus precum", ao Imperador Teodósio, explicando suas queixas e reivindicando proteção. O imperador proibiu outras perseguições, e seu cisma parece não ter durado além da primeira geração.


HARTEL no script Corp. eccles, lat., XIV (1886); USENER, Lucifer de Cagliari e sein Latein in Archiv für latein. Lexikogr. und Gramm., III (1886), 1-58; KRÜGER, Lúcifer Bischof von Calaris e Schisma der Luciferianer (Leipzig, 1886); TILLEMONT , Mém. hist. Ecclés, VII (1700), 514-24, 763-66; DAVIES em Dict. Cristo. Biog., Sv

H. LECLERCQ.







91 visualizações
Tarot on line com logo.png
Banner quadrado Tarot.png

Junte-se a Nós e ajude nossos Projetos fazendo uma doação

Umbanda Grátis

Umbanda Grátis está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional. Baseado no trabalho disponível em www.umbandagratis.com.br. Podem estar disponíveis autorizações adicionais às concedidas no âmbito desta licença no site.

Email: umbandagratis@gmail.com

Phone: 55 21 998549390

Proprietário: Diego Domett

Deixe seu E-mail para ser Notificado de novos Posts e Cursos

Se Inscreva em nosso canal do Youtube

© 2020 Creative Cummons 4.0 - Todos os direitos reservados a Umbanda Grátis |  Termos de Uso  |   Políticas de Privacidade